23 de março de 2018

Meditações

As meditações feitas durante a Lua Cheia ou a Nova são sugestões que nos auxiliam para aumentar a consciência e aguçar a percepção e, assim, reequilibrarmos a nossa energia, através de orações pessoais, inspiradas nos poemas de Carmina Gadelica ou Amergin.

Vivenciamos um período de paz entre o Festival de Lughnasadh e o Equinócio de Outono. Época do ano em que os dias são quentes e abafados, provocando assim, as conhecidas chuvas de verão. Portanto, o elemento predominante dessa fase é a água.

"Eu sou o salmão da sabedoria."

Para acessar esse conhecimento, tal como o Salmão da Sabedoria, que ao comer as nove avelãs do Poço de Segais, no Rio Boyne, e adquiriu os dons da profecia e da poesia, é preciso tomar a decisão firme de confiar na vida e seguir o seu fluxo.



Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

15 de dezembro de 2017

Tributo a Manannán

No Solstício de Verão, façamos um tributo, um rito em homenagem à Manannán Mac Lir, o Barqueiro e Senhor do Portal do Outro Mundo.

Sugestão de oferendas à Manannán
Vá até um local tranquilo, se possível próximo ao mar ou rio e faça uma oferta à Manannán, que pode ser uma maçã, flores ou feixe de gramíneas. Fique em silêncio e relaxe. Acalme sua mente e concentrar-se na respiração. Inspire e expire, relaxe e diga:

"Manannán Mac Lir, Senhor das Brumas, venho lhe oferecer essa homenagem em agradecimento a sua proteção ao me guiar em segurança entre os mundos. Deuses, Ancestrais e Espíritos da Natureza testemunhem a minha oferta de gratidão."

Faça uma pausa e sinta a brisa, conecte-se com a força das águas que movem o poço sagrado abaixo das raízes do solo. E diga: "Senhor das Brumas, aceitai a minha oferta e abençoai-me durante este ano com suas bênçãos de expansão!"

Em seguida coloque a sua oferenda (não poluente) na água ou próximo de uma grande árvore. E assim como iniciamos, terminamos... Os portões se fecham e agora a consciência retorna.

Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®

29 de outubro de 2017

A Cruz de Rowan

As atividades de Beltane, conforme a tradição gaélica, começam três dias antes da sua data firmada, no HS é celebrada no dia 31 de outubro. A preparação faz parte da rotina diária de nossas práticas, neste caso, com a intenção de nos proteger contra qualquer tipo de maléfico, através da confecção da Cruz de Rowan.

Ela é feita com galhos de árvore, fio vermelho e a escrita do Ogham Luis, como não se trata de uma árvore nativa, iremos utilizar a simbologia do seu Fid correspondente, exemplificada na foto abaixo.


A Cruz de Rowan pode ser colocada na porta da casa, do trabalho, carro ou no quarto das crianças. O ideal é que todo ano seja renovada e a anterior queimada.

Para ativar o poder mágico deste talismã, vamos colocá-lo no altar entre duas velas que irão representar os fogos de Bel, uma taça de água e um incenso de sua preferência, dizendo a seguinte oração, inspirada na Carmina Gadelica:

Saining de Beltane

Pelo poder deste fio
Pelo poder desta árvore
Tranço a Cruz de Rowan

Contra o mau olhado,
Contra a inveja,
Contra a desgraça,
Contra a maldade,
Contra o relâmpago,
Contra a tempestade,
Contra a inundação,
Contra o desastre,
Contra a doença.

Pelo poder do fogo duplo
Pelo poder da água abençoada
A magia agora está consagrada

Que assim seja!

Fonte e referências:
Rowan Charm Ritual
Rowan and Red Threads

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.


13 de outubro de 2017

As Espirais de Newgrange


Existem vários conjuntos de espirais duplas e triplas nas câmaras e na passagem do montículo de Newgrange, na Irlanda. O significado das espirais sugere relacionar-se ao ciclo solar ou à eventos astronômicos. Será que podemos ir além nesta jornada sobre os símbolos gravados em pedra rumo aos mitos? Palestra realizada durante o Encontro Paulista de Druidismo e RC/2017.


Bênçãos do Céu, da Terra e do Mar!

Rowena Arnehoy Seneween ®
Todos os direitos reservados.

1 de agosto de 2017

Prece à Brighid

Brighid do manto sagrado, rodeai-nos,
Senhora dos Cordeiros, protegei-nos,
Defensora da Lareira, iluminai-nos,
E restitui-nos a memória

Mãe de nossas mães,
Antepassadas corajosas,
Fazei-nos lembrar
Como acender a lareira

Mantê-la viva
Para preservar a chama,
Para acender a luz,
Tanto de dia como de noite

Vossas mãos sobre as nossas,
Nossas mãos nas vossas,
Do amanhecer ao anoitecer,
Do anoitecer ao amanhecer

O manto de Brighid em torno de nós,
A lembrança de Brighid dentro de nós,
A proteção de Brighid fora de nós,
Livrando do mal, da ignorância e da crueldade

Que assim seja! /|\

Adaptação do livro Anam Cara de Jonh O’Donohue
E autoria de Caitlín Matthews.



Por Rowena A. Seneween
Feliz Imbolc!